Diretriz do NICE (Instituto de Excelência Clínica do Reino Unido) sugere acupuntura como opção de tratamento de dor crônica

Uma série de tratamentos medicamentosos comumente usados para dor crônica primária têm pouca ou nenhuma evidência de que funcionam e não devem ser prescritos, de acordo com o NICE (Instituto de Excelência Clínica do Reino Unido) em seu projeto de diretriz clínica publicado hoje (3 de agosto de 2020) sobre a avaliação e tratamento da dor crônica.

A diretriz preliminar, aberta à consulta pública até 14 de setembro de 2020, diz que pessoas com dor primária crônica devem receber programas supervisionados de exercícios em grupo, alguns tipos de terapia psicológica ou acupuntura.

A dor primária crônica representa a dor crônica como uma condição em si e que não pode ser explicada por outro diagnóstico ou onde não é o sintoma de uma condição subjacente (conhecida como dor secundária crônica). É caracterizada por sofrimento emocional significativo e incapacidade funcional. Exemplos incluem dor crônica generalizada e dor musculoesquelética crônica, bem como condições como dor pélvica crônica.

O esboço da diretriz enfatiza a importância de colocar o paciente no centro de seus cuidados e de promover um relacionamento colaborativo e de apoio entre paciente e profissional de saúde. Também destaca o papel da boa comunicação e seu impacto na experiência de cuidar de pessoas com dor crônica.

A diretriz preliminar recomenda que alguns antidepressivos possam ser considerados para pessoas com dor primária crônica. No entanto, diz que não devem ser oferecidos paracetamol, anti-inflamatórios não esteróides (incluem aspirina e ibuprofeno), benzodiazepínicos ou opióides. Isso ocorre porque, embora houvesse pouca ou nenhuma evidência de que eles fizessem alguma diferença na qualidade de vida, na dor ou no sofrimento psicológico das pessoas, havia evidências de que elas podem causar danos, incluindo possível dependência.

O esboço da diretriz também diz que drogas antiepilépticas, incluindo gabapentinóides, anestésicos locais, cetamina, corticosteróides e antipsicóticos, não devem ser oferecidas às pessoas para gerenciar a dor primária crônica. Novamente, isso ocorreu porque havia pouca ou nenhuma evidência de que esses tratamentos funcionassem, mas poderiam ter possíveis danos.

A dor crônica costuma ser difícil de tratar e pode ter um impacto significativo nos indivíduos e em suas famílias e cuidadores. As estimativas sugerem que a dor crônica pode afetar entre um terço e metade da população, embora não se saiba qual proporção de pessoas que atendem aos critérios para dor crônica precisam ou desejam receber tratamento. Quase metade das pessoas com dor crônica tem um diagnóstico de depressão e dois terços das pessoas não conseguem trabalhar por causa disso.

Acupuntura como opção de tratamento

A acupuntura é recomendada como uma opção para algumas pessoas com dor crônica primária. A revisão sistemática do Instituto avaliou mais de 32 estudos e revisões sobre acupuntura.

De acordo com os autores, “a evidência clínica mostrou um benefício da acupuntura em comparação com a acupuntura sham e cuidados habituais, na redução da dor e na melhoria da qualidade de vida.”

O rascunho da diretriz, e as evidências sobre acupuntura podem ser avaliadas abaixo:

DRAFT-GUIDELINE-NICE

EVIDENCE-REVIEW-ACUPUNCTURE-NICE

Referência: NICE (UK)

  • Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *