Posicionamento sobre COVID-19 - Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP)

São Paulo, 16 de março de 2020

O novo coronavírus 2019 (2019-nCoV) causa a doença COVID-19.

Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) classificou COVID-19 como uma pandemia. O coronavírus é um vírus RNA envelopado, distribuído amplamente entre humanos, outros mamíferos e pássaros, e que causam sintomas respiratórios, gastrointestinais e neurológicos. Isso significa que o vírus está circulando em todos os continentes e há ocorrência de casos oligossintomáticos, dificultando a identificação. Deste modo, principalmente no hemisfério sul, onde está o Brasil, os países devem se preparar para o outono/inverno com o objetivo de evitar casos graves e óbitos.

Nos meses de outono (20/03-20/06) e inverno (21/06-20/09), há uma circulação importante dos vírus respiratórios (como a influenza), que causam pneumonias, otites, sinusites e meningites. Apesar de ocorrer em todas as estações do ano, é nesse período que há maior frequência dessas doenças, pois pessoas ficam mais concentradas nos espaços e com menor ventilação. A doença pelo coronavírus não é diferente, ela também é uma doença respiratória e todos devem se prevenir.

Quando alguém tem a COVID-19, ao tossir ou espirrar, libera as gotículas infectadas.
A maioria dessas gotículas cai em superfícies e objetos próximos como mesas, maçanetas ou telefones, e os indivíduos podem se infectar, tocando nessas superfícies e depois, tocando seus olhos, nariz ou boca. A assepsia deve ser feita até nos próprios celulares, tendo em vista nosso uso frequente.

Se uma pessoa estiver a menos de um metro de uma outra pessoa com a COVID-19 poderá se contaminar pela inalação de gotículas infectadas pelo vírus exaladas pela tosse, por exemplo. Em outras palavras, o vírus se espalha de maneira semelhante a qualquer gripe ou resfriado.

Os principais sintomas dos pacientes com COVID-19 são os seguintes:
• febre (88,5%),
• tosse (68,6%), mialgia ou fadiga (35,8%),
• expectoração (28,2%)
• e dispneia (21, 9%).

Sintomas menores incluem
• cefaleia ou tonturas (12,1%),
• diarreia (4,8%),
• náuseas e vômitos (3,9%).

As alterações laboratoriais mais comuns incluem:
• linfocitopenia (64,5%),
• aumento de PCR (44,3%),
• aumento de LDH (28,3%)
• e leucopenia (29,4%).

O CMAESP orienta os médicos acupunturiatras a atentarem para as medidas de prevenção:

– Lavar as mãos regularmente, por pelo menos 20 segundos, com água e sabão. Após a lavagem, as mãos devem ser completamente secas;

– Usar antisséptico de mãos à base de álcool 70% antes e depois de cada agulhamento;

– Usar lençóis de papel descartável, trocando completamente para cada paciente;

– Evitar tocar na face (especialmente olhos, nariz e boca), principalmente durante o atendimento;

– Uso de máscara: O benefício de usar máscaras em público é controverso. Máscaras geralmente não são eficazes para prevenir a infecção. A maioria das pessoas não possui treinamento apropriado para utilizá-las. Máscaras devem ser trocadas frequentemente e é possível que seu uso aumente a chance de contaminar a face com as mãos no momento de ajustá-la. O uso de máscaras está recomendado apenas para os pacientes sintomáticos, não sendo necessário para aqueles assintomáticos. A máscara não previne completamente a transmissão do vírus, mas é um bom lembrete para não tocar no rosto e serve como aviso a outras pessoas
de que a pessoa pode estar infectada. Até este momento (14/03/2020), o Center for Disease Control and Prevention (CDC) dos EUA não está recomendando o uso de máscara para proteção contra infecções fora do ambiente hospitalar;

– Higienizar as superfícies das salas de atendimento e de espera como maçanetas, mesas, cadeiras, outros mobiliários e materiais de atendimento com álcool a 70%, a cada troca de paciente, readequando os horários e/ou duração dos atendimentos se necessário.

– Ventosas e outros materiais específicos devem ser lavados com água e sabão e depois higienizados com álcool a 70% a cada troca de paciente;

– Quando necessitar de luvas, lave as mãos, conforme normas de biossegurança, antes e depois do uso;

– Ao tossir ou espirrar, cobrir boca e nariz com a parte interna do cotovelo, evitando usar as mãos;

– Manter os ambientes ventilados, com janelas abertas e evitar o uso de ar condicionado, quando possível;

– Recomendar aos pacientes com sintomas que remarquem a consulta/sessão de acupuntura e procurem os serviços de saúde;

– Redobrem os cuidados, sobretudo aos pacientes idosos e acamados, como aqueles com mais de 60 anos, com diabetes, doenças respiratórias e imunossupressoras. Essa observação vale também para os profissionais nessa faixa etária.

– Considere remarcar atendimentos caso tenha viajado de avião recentemente.

– Orientar pacientes a lavar as mãos com frequência;

– Disponibilizar dispensers com álcool em gel na concentração de 70%;

– Usar toalhas de papel descartável;

– Cumprimentos devem ser sem contato direto, evitando apertos de mão, abraços ou
beijos.

– Todos, médicos e pacientes, devem evitar aglomerações, transportes públicos, feiras, supermercados, shoppings.

– Viagens desnecessárias devem ser canceladas ou adiadas, principalmente para áreas
onde existe transmissão sustentada do vírus.

– Idosos e doentes crônicos: recomendar restrição de contato social (viagens, cinema, shoppings, shows e locais com aglomeração) nas cidades com transmissão local ou comunitária e vacinar-se contra influenza;

– Pacientes identificados com Síndrome Respiratória Aguda Grave, devem ser encaminhados aos serviços de urgência/emergência ou hospitalares de referência na Unidade Federada, conforme plano de contingência local;

– Médicos que estejam em locais de aglomerados ou áreas que oferecem maior risco de contágio, devem seguir com rigor todas as medidas de prevenção descritas anteriormente. Caso apresentem os sintomas da infecção pelo coronavírus devem buscar atendimento e se afastar de suas atividades profissionais até que estejam completamente livres de sintomas.

A divulgação de dados de casos suspeitos, confirmados e descartados ocorre diariamente por meio da Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (IVIS)

Endereço eletrônico http://plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/

Dr. Alexandre Valotta da Silva – Representante do CMAeSP de Bragança Paulista
Dr. André Wan Wen Tsai – Presidente do CMAesP
Dra Claudia Misorelli – Representante do CMAeSP de Santana do Parnaíba
Dra Lourdes Teixeira Henriques – Representante do CMAeSP de Santos
Dr. Luciano Ricardo Curuci de Souza – Diretor de Comunicação do CMAeSP

  • Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *